AMIZADE

Pr 17,17;18,24
" O amigo ama em todo o tempo: na desgraça, ele se torna um irmão".
"O homem cercado de muitos amigos tem neles sua desgraça, mas existe um amigo mais unido que um irmão".

domingo, 10 de julho de 2011

Paralamas de volta às origens

Paralamas de volta às origens
Em 1986 o cenário do rock nacional ganhava uma cara nova com o lançamento do disco Selvagem, dos Paralamas do Sucesso. O álbum trazia Herbert Vianna, João Barone e Bi Ribeiro, todos com 25 anos, cantando "a cidade que tem braços abertos num cartão postal com os punhos fechados na vida real lhe nega oportunidades, mostra a face dura do mal" na música "Alagados", um verdadeiro grito daquela geração criada sob a égide da ditadura militar e inconformada com a realidade social e economicamente decadente do país.

Selvagem ia além. Mais que letras politizadas, o disco mesclava harmoniosamente as várias influências do grupo. A parceria com Gilberto Gil em "A Novidade", o cover de Tim Maia em "Você", o reggae "Teerã" e o bom-humor do "Melô do Marinheiro" davam pistas da sonoridade que o trio investiria dali para frente: menos inspirada na música estrangeira e com sotaque mais tupiniquim. O Selvagem alçou os Paralamas do Sucesso para a carreira internacional e lhes rendeu shows na América do Sul e na Europa, inclusive no Festival de Jazz de Montreux (Suíça).

Para celebrar os 25 anos deste álbum que se tornou um clássico do rock brasileiro, os Paralamas do Sucesso realizaram seis apresentações especiais em São Paulo entre os dias 24 de junho e 2 de julho com o repertório de Selvagem. Em entrevista a O Norte, o baterista João Barone revela que muitas músicas tiveram de ser "reaprendidas" como estavam no disco, pois tiveram seus arranjos muito alterados ao longo das últimas décadas. Barone comenta como se deu a escolha da inusitada foto da capa. O irmão de Bi Ribeiro sem camisa no meio do mato era o selvagem que eles precisavam para sacudir o público e a crítica na década de 80.

Jornal O Norte